Ana Genezini e presidente da Fenacelbra debatem implantação de programa ao celíaco junto à Secretaria de Saúde



Secretária municipal Nádia Capovilla agendou reunião com corpo de funcionários para apresentação do tema


A vereadora Ana Genezini (PTB) se reuniu com a diretoria da secretaria de Saúde para definir o início dos trabalhos para a futura implantação da política municipal de atendimento e apoio ao portador de doença celíaca. Para tanto, esteve presente no encontro a presidente da Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil (Fenacelbra), Lucélia da Silva Costa, que traçou as diretrizes fundamentais para que a municipalidade se prepare para o atendimento ao celíaco. O portador dessa disfunção tem intolerância natural ao glútem, e seu único tratamento é a manutenção de uma alimentação especial, livre dessa proteína, geralmente de alto custo.

Ana Genezini e Lucélia Costa foram recebidas pela secretária municipal de saúde, Nádia Capovilla, pela diretora da pasta Regina Ligo, e pela diretora de assistência e atendimento Érica Pin Pereira. Após Ana Genezini ter proposto no plenário da Câmara a criação de um programa ao celíaco em Vinhedo, essa foi a primeira vez em que o tema foi debatido diretamente com uma das secretarias competentes para a execução do projeto. A ideia é que Vinhedo não só ofereça o serviço, mas que também se torne o município modelo de atendimento ao celíaco no país.

Em nível nacional alguns passos já foram dados para o desenvolvimento de uma política própria ao tratamento do celíaco. Em 2009, através de um esforço da Fenacelbra e das associações que a compõe, foi aprovado o protocolo clínico de atendimento ao celíaco no SUS, porém, tal conquista nunca foi aplicada, pois falta a aprovação do organograma de acompanhamento. Por fazer parte do Conselho Nacional de Saúde, a Fenacelbra conseguiu intermediar a aprovação de um comitê interministerial que permitiu o início de trabalhos voltados à assistência ao celíaco em âmbito federal. A Fenacelbra conta com 12 pesquisadores, entre brasileiros e estrangeiros, e é filiada ao movimento internacional de apoio ao celíaco.

Para dar segmento a esses avanços, Lucélia Costa crê ser fundamental que algum município desenvolva, de forma pioneira, um programa exclusivo de assistência total ao celíaco. Tal iniciativa promoveria a ação de outros entes federados, servindo como norte às demais administrações públicas.

Embora não sejam tão frequentes, em Vinhedo já foram diagnosticados alguns portadores de doença celíaca e, devido à falta de um protocolo de atendimento na rede municipal, os munícipes não recebem nenhum tipo de assistência preventiva, que seria a manutenção da alimentação sem glútem. A dificuldade do diagnóstico – o celíaco demora de 8 a 10 anos para ter um diagnóstico definitivo – e a complexidade do tratamento se não houver a prevenção básica, fazem com que a implantação de um programa municipal se torne urgente.

“O tratamento à doença é trabalhoso e com forte impacto financeiro, porém, se a alimentação não for a adequada, sem glútem, o celíaco pode desenvolver uma série de patologias de média à alta complexidade, como a hepatite autoimune”, explicou Lucélia Costa.


O programa vinhedense


Na reunião foram levantados alguns trabalhos que deve ser promovidos pela futura política municipal, em especial a parceria entre as secretarias de Saúde, Assistência Social e Educação, de modo que o munícipe seja assistido em diferentes áreas. Como exemplos, foram citadas a eventual disponibilização de monitores especiais nas escolas da rede municipal, com o intuito de impedir que a criança celíaca coma alimentos com glútem em algum momento de descuido; e a disponibilização de cestas alimentícias especiais, por parte da Secretaria de Assistência Social, aos diagnosticados com a doença.

Para dar início aos estudos, Nádia Capovilla pré-agendou uma reunião para o dia 8 de junho, na qual seria ministrado um seminário e realizaria um workshop ao corpo clínico da rede municipal de saúde (em especial médicos e nutricionistas) como forma de alertar esses profissionais sobre a doença, possibilitando o mapeamento de celíacos em Vinhedo. O seminário e o workshop seriam realizados por especialistas filiados às Acelbras (Associação de Celíacos do Brasil); no caso de São Paulo a Acelbra é ligada á Unifesp – Universidade Federal de São Paulo.

Nádia Capovilla se comprometeu a divulgar o encontro de junho aos municípios de Valinhos e Louveira, incorporando-os aos trabalhos, ampliando a área de diagnóstico dos celíacos. “O mapeamento é fundamental para que a municipalidade possa ter uma noção em relação ao número de casos existentes no município e com isso moldar sua política de assistência, inclusive subsidiando alimentação adequada aos celíacos”, afirmou a secretária.

Ana Genezini ainda espera que em um segundo momento seja realizado um trabalho que convoque as pessoas portadoras da doença celíaca a procurar a municipalidade para facilitar o registro e o mapeamento dos casos existentes na cidade. Para tanto, a parlamentar se dispôs a receber em seu gabinete os acometidos pela disfunção para que sejam encaminhados à rede municipal de saúde.

Para a vereadora esse é apenas “o primeiro passo de um grande trabalho que Vinhedo fará para o desenvolvimento da saúde na região e em todo o país, um exemplo de respeito à população”.

Comentários

  1. A doença celíaca, a intolerância ao glúten, proteína encontrada no trigo, centeio, cevada, aveia e malte, afeta muitas pessoas. Há muita dificuldade em encontrar alimentos apropriados para sua condição.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Conselho de Usuários da TIM Região Sudeste

Ana Genezini pede flexibilização para abertura do comércio e apoio para famílias carentes

Vereadora Ana Genezini e presidente Márcio Melle entregam honraria à Silvia Silmara Scialla Ordones